AUTOCONFIANÇA E ACNE

Estas duas palavras são, muitas vezes, algo completamente opostas. Não deveriam ser, mas são.
Neste post não vos vou dar uma “lista” de dicas em como aumentar a vossa autoconfiança, mas sim tentar falar-vos um bocadinho da minha história e como lido com o acne.

Como já falei aqui algumas vezes, tenho acne desde os 11 anos, o que é muito tempo. A idade em que uma pessoa, independentemente de ser homem ou mulher, se quer sentir mais bonito porque começam a aparecer os primeiros namoricos e tal, começamos a querer sair mais (não com 11 anos, mas vocês percebem :p ), começamos a ser comparados com X e Y… Enfim!

É verdade que eu nunca tive acne muitoooo severo. Era grave, mas não tão grave como muitas vezes vemos. No entanto sempre foi uma enorme insegurança para mim. Ainda para mais porque mais nenhuma das minhas amigas tinha. Isso foi-me deixando cada vez mais tímida e com uma noção, talvez um pouco afastada do real, do meu acne e da minha aparência.

O tempo foi passando, os tratamentos acumulando e, embora tenha melhorado muito, ainda tenho enormes inseguranças com isso e sei que muitas pessoas passam pelo mesmo.
Quando há umas semanas o meu tratamento com a Isotretinoína foi por água abaixo, senti-me muito em baixo, como já não me sentia há algum tempo.

A maquilhagem faz parte da minha vida desde há muito tempo por isso mesmo. São muito raras as vezes que saio de casa sem base (só se for ao supermercado, e mesmo assim é raro) e mesmo eu adorando maquilhagem, gostava de me sentir bem sem ela. É aquela sensação de que as pessoas olham e comentam… talvez seja paranóia ou ache que está pior do que realmente está, mas de facto afecta imenso o dia-a-dia.

E eu sei que não sou a única. Desse lado deve haver imensas meninas (e meninos também) com as mesmas inseguranças.
E o pior de tudo é que nem toda a gente compreende. Diariamente somos “confrontados” com um: “ai, a tua pele hoje não está nada bem“, ou “deixa de colocar essas coisas na cara, só te fazem pior“… Enfim, frases que se calhar até nem são ditas por maldade mas acabam por afectar, e muito, a nossa vida.
Quantas vezes já nos sentimos mais deprimidos e sem querer sair de casa por causa do nosso rosto? Acredito que muitas…

Mas mesmo sendo difícil, não podemos deixar que o acne tome conta das nossas vidas.
Temos de nos lembrar que o acne tem tratamento (pode ser muitooo longo como no meu caso, mas tem) e nós não podemos ser definidos pelo estado da nossa pele, tal como não devemos ser pela nossa altura ou peso.

Não posso estar com falsos moralismos e dizer para não se deixarem afectarem com isso, porque eu sei o que é sentir-se assim. Mas posso dizer-vos que a vida é mais do que isso.
Por vezes, estamos tão cientes da nossa pele, que começamos a “exagerar” o seu estado e os olhares dos outros. A verdade é que muitas pessoas acabam por nem reparar.
E outra coisa: Nós temos tão mais para dar e somos tão mais do que isso… Temos a nossa personalidade que é o mais importante de tudo e é o que cativa os outros.

Se realmente o vosso acne vos incomoda, mesmo que seja algo super leve, tentem ir a um dermatologista. É o melhor que podem fazer.
E nunca, nunca se comparem a outras pessoas. Tentem falar com alguém que já passou pelo mesmo. Elas vão entender as vossas inseguranças.

Vão ver que com o tempo as coisas se começam a recompor 🙂

Follow me on Instagram @elianarssilva and on snapchat elianasilva

  • Muitas vezes as pessoas dizem o que dizem só para rebaixar os outros. O melhor é não dar ouvidos! Beijinhos (:

  • Isso também é verdade.
    Mas pronto… É aprender a passar por cima disso. Não é nada que não se resolva 🙂

    Beijinhos*

  • Gostei muito do post! Eu também sofro de acne, lá está, nada de muito severo, mas quando aparecem, APARECEM! E é bem desagradável ouvir esses comentários, mas temos de saber levantar a cabeça e nem querer saber 🙂

    http://getup-makeup.blogspot.pt/

  • Que bom que gostaste. 😀
    Exacto… Não podemos ligar a tudo o que nos dizem.
    Apesar de ser algo que pode abalar muito a auto estima de alguém, não podemos ser reféns. Isto passa 🙂

    E foi por causa disso mesmo que decidi escrever este post :p